As postagens são feitas por nossa Comissão Científica. Podem ser próprias, adaptadas, transcritas de teóricos ou de sites científicos com publicações de novos estudos, e, teem a finalidade de informar e esclarecer alguns transtornos mentais. Não é diagnóstico final, portanto, procure o seu profissional ou o nosso espaço para maiores esclarecimentos em N. I./RJ com hora marcada: tel- 2669-7562 ou 9644-87280


domingo, 15 de novembro de 2009

Hipnose- uma das ferramentas da Psicanálise



Hipnose, ou estado hipnótico, é uma condição temporária de um estado alterado de atenção e percepção do indivíduo. Atualmente, a hipnose é considerada uma técnica extremamente útil quando praticada por profissionais qualificados. Seu uso abrange as áreas médica, psicológica, odontológica, educacional etc. A hipnose vem sendo estudada desde tempos antigos, mas sempre condenada devido às crenças errôneas a seu respeito e sua má utilização.
Mas o que realmente é hipnose? A ciência tem demonstrado que hipnose é um estado natural do comportamento humano que possui efeitos psicológicos, sociais e físicos. Não há mistérios ligados à hipnose e hipnotizador. Hipnose é uma técnica que possibilita ao individuo acessar suas experiências internas subjetivas. Hipnose pode ser comparada ao estado de sonhar acordado envolvendo um estado mental ativo e intenso. Isto é, a pessoa em hipnose não está dormindo, muito pelo contrário, a pessoa está num intenso estado de concentração mental e pode falar, andar ou escrever. Normalmente, a pessoa hipnotizada fica totalmente consciente do que diz e faz. O hipnotizador ou hipnólogo, utiliza certos métodos para induzir a hipnose em uma pessoa que, por sua vez, responde ao método alterando seu estado de atenção. Esse estado alterado leva a pessoa a experienciar diversos fenômenos, tais como diferentes níveis de consciência, imaginação, memória, além de tornar-se mais suscetível à sugestões para seu benefício. Outros fenômenos hipnóticos podem ocorrer, dependendo do objetivo da hipnose. Pode-se eliminar uma dor por exemplo, criar sensações, relaxar etc.
A hipnose é mais uma ferramenta que pode ser utilizada em uma terapia. A psicanálise utiliza o método da livre associação, mais comumente. Entre os conceitos já aceitos, está o de um “estado natural de consciência, diferente do estado de vigília”.A hipnose é um estado de suscetibilidade ampliada para a sugestão, tendo como efeito uma alteração das capacidades sensoriais e motoras para iniciar um comportamento apropriado. O transe é um estado de sugestibilidade intensificado artificialmente e semelhante mas não igual ao sono, no qual parece ocorrer uma dissociação dos elementos conscientes e inconscientes do psiquismo. A sugestão e a auto-sugestão fazem parte do transe. A sugestão seria uma comunicação associada a uma influência que assim provocaria a absorção da mente consciente, que fica focalizada em algum tipo de absorção sensorial e ideativa. Desta maneira, ocorre à oportunidade da mente inconsciente se manifestar, em diversos níveis, através dos fenômenos hipnóticos.
Entre nossos colegas no consultório, há um hipnoterapeuta muito qualificado e procurado por nossos pacientes: Dr. Claus Hinden -também analista de temperamento.

Um comentário:

Roberto de santa rosa disse...

A hipnose está presente em todas as abordagens de psicoterapia e orientações psicanalíticas.Ora a psicanálise ortodoxa o silêncio e a estimulação de um ambiente enigmático e a transferência superexcitam uma área do córtex e inibe outras sucessivamente.
A voz vinda por trás que gera sempre um mistério e uma sensação de um super poder que tem um saber sobre a vida do analisando.O ambiente do atendimento psicanalítico e a postura do psicanalista estimulam as associações livres,ora o psicanalista sugestiona
uma forma de tanto relacionar-se com o psicanalista e de como verbalizar suas questões pois,o processo psicanalítico instaura a neurose transferencial que é uma neurose artificial,o fato é que para haver uma análise todos independente de suas neuroses têm que histericizar-se para que o analisando coloque o psicanalista no lugar de um saber.
O amor que nasce da formação da neurose transferencial potencializa tudo o que o psicanalista diz(Interpreta.As resistências emergem durante a análise,apontando que em certos momentos o analisando sai do estado de transe(Onde o inconsciente se expressa sem barreiras),a resistência é o fechamento do inconsciente por parte do analisando e aponta também onde o psicanalista acelerou em sua condução de interpretação e por distração saiu do lugar do saber entrelaçado ao amor transferencial.
As associações livres indicam os pontos que geraram o sintoma,logo os tons de voz do psicanalista devem ser afetadas pelo discurso do analisando e deve saber usar o transe que ocorre consigo também através da atenção flutuante.
Sob a neurose transferencial todo analisando é de certo modo sugestionado com interpretações cujos conteúdos são retirados de seu próprio discurso ou seja, se há associação livre há transe e o inconsciente se abre e expressa linguística e pulsionalmente sua trama,os processos que levaram a produção do sintoma e só é possível decifrar o inconsciente estando e transe(Atenção flutuante).